O Brasil e o Mundo na W3 Sul, em Brasília: É o Mercado Municipal.

Muitos desembarcavam em Brasília e não ousavam perguntar: “Onde fica o Mercado Municipal?” – acreditando não existir, por entre as formas futuristas mundialmente conhecidas da capital federal, algo parecido com os deliciosos e fartos mercados populares de tantas cidades do Brasil e do Mundo. Isto era mesmo verdade, até o ano de 2006. De lá para cá, o Mercado Municipal de Brasília responde sorridente aos navegantes: Estou aqui, na W3, 509 sul, esperando por você.


1960 a 2013, Brasília, de JK a Jorge Ferreira.


O final da década de 50 do século passado foi de mudanças marcantes em nosso país. A construção de Brasília e o advento da bossa nova são dois destaques históricos. Se uma provocava êxodo interno, com milhares de pessoas vindo para o Planalto Central, a outra mudava a batida do samba e inventava um fenômeno chamado MPB, que se consagrou nos festivais de música da década seguinte. E, nessas décadas seguintes, brasileiros de todos os cantos e recantos continuaram chegando e ficando, construindo, Brasília se transformando, se agigantando.

Um cidadão mineiro, de Diamantina, assinou as tantas ordens de serviço para que ferro, aço, terra, vidro, concreto e arte fossem dando forma ao futuro Patrimônio da Humanidade. Audacioso, corajoso. Serenidade diante dos enfrentamentos. Algumas décadas depois, em 1985, outro mineiro, de Cruzília, chegava para dar a sua contribuição, alterando para sempre a gastronomia da capital federal, colocando-a como um dos polos mais importantes nessa área, no Brasil. Audacioso, corajoso. Serenidade poética diante das dificuldades.

Jorge Ferreira foi comparado com o médico e presidente bossa-novista, nas palavras do poeta baiano Carlos Henrique: "Ele é o JK dos bares"! Depois de inaugurar o Gordeixo 306, o Feitiço Mineiro, o Armazém do Ferreira, Bar Brasília e o Bar e Restaurante Monumental (hoje Bar Brahma), chegava a vez do Mercado Municipal, em 2006. Uma obra de arte onde somos parte do cenário, multifacetado. Interagindo com o espaço, enquanto fazemos compras apreciamos tudo em volta, dos secos e molhados às obras de arte, uma decoração 'coisa de cinema'. O arquiteto Álvaro Abreu fez dupla de área com o empresário/cenógrafo Jorge. Pronto, estamos em casa: é o Mercado Municipal de Brasília.